Quem é esse cara que está no Google hoje?

10/07/2009

Deixe que o futuro diga a verdade e avalie cada um de acordo com suas obras e conquistas. O presente é deles, mas o futuro, pelo qual eu realmente trabalhei, é meu.

Esta é uma frase atribuida a Nikola Tesla(1856-1943), um cientista brilhante e injustiçado, que faria aniversário hoje. Por isso, a homenagem do Google.  Como é (ou era), quase desconhecido, várias pessoas perguntaram por aí “quem é o cara”.  A primeira vez que li sobre Tesla foi em um livro de história das comunicações (não lembro o qual). E, depois, “vi de novo” no filme Sobre Café e Cigarros*, em que é  o principal assunto do diálogo do White Stripes. Além disso, meu namorado é fã do inventor e me contou algumas coisas sobre ele.

teorias conspiratórias que dizem que o nome dele foi abafado pelos capitalistas americanos, que o trapacearam para subtrair suas invenções…

Neste breve documentário, “Nikola Tesla, the forggoten wizard” (legendado) há um pouco sobre o sujeito visionário e genial e sua importância para o mundo.

*fora do tema: o melhor curta do “Sobre Café e Cigarros” é o estrelado por Tom Waits e Iggy Pop.

Anúncios

Flying saucers

03/08/2008

Uma das leituras de férias foi o “-sse”, livro de contos de Erly Vieira Jr, colega capixaba cheio de talentos. Vários textos possuem semelhanças com situações que vivi. Mas uma passagem do texto “Vez por outra” me fez lembrar de uma época aterrorizantemente sensacional da minha infância no Pará:

“[…] de London, London só decorei o refrão. Achava linda a expressão flying saucers. Mas morria de medo quanto tinha reportagem no Fantástico sobre extraterrestres, caso Roswell, meteoro da União Anestésica. Vez por outra saía correndo da sala e me escondia debaixo do edredom até o programa terminar. Tremicerrado, lábios crispados”.

Eu também gosto do som de “flying saucers”. Mas também tinha um medo danado de ETs. Ao ler o trecho, recordei do final da década de 70, quando eu tinha menos de 10 anos e ouvi falar pela primeira vez nos discos voadores de Colares-PA.  Eu morava em Santarém, bem longe de Colares, mas por lá também se falava do fenômeno chupa-chupa (que era como a população chamava). Contavam os ribeirinhos  que um “aparelho voador” aparecia e jogava neles uma luz forte que os deixava fracos e doentes. Gente, eu passava noites imaginando que uma hora aquilo ia acontecer comigo, que eu ia ser sugada pelo telhado da minha casa.Toda noite era a mesma coisa, o mesmo medo. O bicho-papão da minha infância era um ET vestido de branco…

Depois, na adolescência, o medo se transformou em interesse, comprei livros, guardava recortes de revistas. Mais tarde, morando em Belém-PA, soube que esse momento da história paraense foi marcante para o estudo dos UFOS no Brasil.  A investigação oficial foi chamada de Operação Prato pela Força Aérea Brasileira. Tudo é um grande mistério até hoje.

No YouTube há dois videodocumentários sobre o assunto:

1- Operação Prato (o caso Roswell brasileiro)- exibido pelo History Channel.

2- Chupa-chupa: a história que veio do céu – exibido pela série DOC TV – da TV Cultura.

Hoje não tenho tanto medo de ETS (rs), nem coleciono informações, mas ainda me interesso por algum caso novo. Curiosidade apenas.