Gramática do “salto alto”

16/10/2009
Caco Galhardo

Caco Galhardo


O lugar-comum é uma anemia

29/05/2008

A falta de idéias, de horizontes e de experiência deixa as pessoas repetitivas. Pode ser até implicância minha, mas ultimamente tenho percebido o uso mais freqüente de chavões no jornalismo, na literatura, nas ruas e no meu local de trabalho. Ser clichezeiro é mostrar atualização? Absorver memes é sinal de “pós-modernidade”? rs. Não vou ser radical, porque alguns chavões são até bem divertidos (pela imagem que criam) como “caça às bruxas”, “dar com os burros n’água”, “tô passada” e “plantar idéias”. Mas não curto o uso exaustivo de clichês. Parece preguiça pura de pensar, de procurar novidades, de abrir a mente.

E nesse sentido, a rotina também é um clichê insuportável. Eu me sinto num domo formado de lugar-comum, onde semi-deuses diariamente repetem suas sentenças. Só as muito engraçadas valem à pena. Mas tudo certo, já diz o ditado “os incomodados que se retirem” e eu resolvi obedecer em parte. Vou ler uma lista gigante de chavões e expressões bizarras para finalmente me curar dessa ojeriza e passar a neutralizar as bobagens ditas em nome da pseudo- inteligência. #prontofalei!