Crochê hiperbólico

31/08/2009

Eu gosto de fazer crochê para não pensar em qualquer coisa. Na verdade,  ao tecer as tramas, a gente só pensa em continhas: duas laçadas, pula um, faz dois pontos altos ali, aumenta cinco correntinhas etc. Como dá muito trabalho, só faço objetos pequenos e rápidos. Engraçado é o olhar de descrença de alguns colegas, quando sabem disso:  “ah, fala sério, isso não tem nada a ver com você!”.  E se eu disser que tem gente estudando matemática com crochê?

Há algum tempo eu quis postar trabalhos do Institute for Figuring, um projeto que envolve estudos sobre meio ambiente, matemática e  uma rede de crocheteiras pelo mundo.  Mas agora, após ler bobagens da umbigolândia pseudocientífica, resolvi compartilhar o  vídeo da breve palestra de uma das idealizadoras do projeto, onde ela conta como tudo começou: após a massificação do assunto aquecimento global e a preocupação em reproduzir recifes de corais que estavam desaparecendo. E no desenrolar disso, entram conhecimentos matemáticos, biologia marinha e o artesanato. Esta junção prova que é possível aliar temas, trabalhos e opiniões, desde que haja visão alargada para aceitar maneiras diversas de compreensão e representação. Estou aprendendo isso também.

[com legendas em português]

Anúncios