Ciência, jornalismo e paixões

“Jamais se case com um pesquisador. Ou vai passar os fins de semana sozinha.” – aconselhou-me, um dia, o Manoel, amigo paraense. Ele era pesquisador de biomedicina e eu estudante de jornalismo na UFPa. Não esqueci disso. Mas também não casei com um pesquisador. Neste fim de semana, lembrei dele e dos amigos que dormiam em laboratórios na UFPa para não perderem o experimento.  Queria escrever para eles e dizer que passei o sábado e o domingo com vários cientistas e estudantes! Fui para o EWCLiPo (Encontro de blogueiros de ciências) conversar com eles sobre comunicação, blogs, ciência e educação em Arraial do Cabo-RJ, cidade de praias lindas.

Fiquei feliz com o convite da organização, mas um pouco receosa [Pensei até em reler o Bruno Latour em “Ciência em ação. Como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora”]. Explico: sempre estive em encontros de jornalistas e pesquisadores de comunicação. Estes às vezes são belicosos. Mas como sou muito otimista quanto à relação jornalista e cientista, me tranquilizei. Além disso, havia colegas jornalistas na programação: o Bernardo Esteves, a Lacy e a Maria Guimarães.

A paixão foi o mote da palestra da Maria. Contou-nos por que, quase doutora em biologia, abandonou a pesquisa acadêmica e foi fazer jornalismo. Maria acredita que é preciso encantar-se pelo objeto de pesquisa ou pela profissão. Ela, por exemplo, enamorou-se primeiro de um roedorzinho, que estudou durante anos,  e, depois, veio a paixão pela reportagem. Concordo com ela. Não há como gostar de fazer algo que não nos inspire ou pareça necessário para alguma coisa, até para sobrevivência. Sem tesão não há solução, dizia o escritor Roberto Freire.

E  a Maria acertou em cheio. Meu amigo Manoel também. No encontro de blogueiros de ciência, liguei ambas as percepções. Somente um apaixonado pelo que faz se fecha em uma sala para discutir assuntos do seu interesse num fim de semana de sol.  E a sala está a dois passos do mar com praia de areia branquinha. E não é misantropia, porque a sala estava cheia. Não sei o que disseram os pares românticos do pessoal que estava lá. Mas os pesquisadores blogueiros pareciam bem animados em saber mais sobre blogs e comunicação. Uma atividade nova para muitos deles.

Há outros pontos do evento a serem abordados em posts específicos. Quero destacar algumas informações que ouvi.  Um relatório com detalhes foi postado pelo Mauro Rebelo, um dos organizadores do encontro. Mas eu me dei folga do texto jornalístico tradicional e preferi me aproximar do jornalismo de imersão.

6 respostas para Ciência, jornalismo e paixões

  1. janewell disse:

    E ficou muito bom o seu texto de “jornalista de imersão”.
    Beijo,
    Lacy

  2. trnahas disse:

    Oi, Alessandra,
    foi ótimo te conhecer pessoalmente, aprender contigo um pouco mais sobre o jornalismo científico e agora ainda sobre o jornalismo de imersão!
    Grande abraço,
    Tatiana

  3. Mauro Rebelo disse:

    Adorei seu texto Alessandra, que bom que pudemos contar com você! Obrigado.

  4. maria disse:

    oi alessandra. a solução é casar com um cientista! não pisei na praia, mas pelo menos eu tinha quem esquentasse minhas mãos naquela sala gelada.

    gostei da imersão.

  5. Hermes disse:

    Imersão em qualquer coisa leva tempo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: