Tatuagem de cientista

26/03/2009

sciencetattoos Quem seria capaz de tatuar uma lula gigante no pé esquerdo? Calma que não é coisa de PTista fanático, mas de cientista apaixonado. Eu acho legal. Tem gente que tatua a cara da namorada, do cachorro, da mãe etc.

A moça da foto é  pesquisadora e tatuou o objeto de estudo para nunca mais esquecer detalhes do animal.  Essa imagem foi emprestada do blog do jornalista americano Carl Zimmer, que coleciona fotos de tatuagens com temas científicos e as expõe no Science Tattoo Emporium do “The Loom” (o blog dele). Há algumas engraçadas, curiosas, outras geniais, além das  esquisitas. Veja no Emporium o que o pessoal da academia tem registrado em seus corpos.

(eu não tenho tatuagem,  mas admiro as bem feitas. Há uns 15 anos, quis tatuar uma formiga no dedo médio, mas esqueci.)

Anúncios

Inferno e admiração

19/03/2009

pira19032009do Laerte,  muito bom! (FSP, 19/03/2009)


Uma mensagem perigosa

14/03/2009

vejaperigo1

Imagem da caixa de entrada de e-mail com mensagem de divulgação da mais recente edição de Veja.

Título da mensagem: Veja: Camarada Obama.”

Alertas do Hotmail: “Essa mensagem foi bloqueada para sua segurança”. “Esta mensagem pode ser perigosa”. “Alerta de fraude”.

…Tenho que reconhecer que o Hotmail nunca foi tão verdadeiro…


A servidão e o GPS

09/03/2009

retorno

Na primeira vez em que usei um GPS no automóvel, não vi a menor graça. Apenas constatei que me levava a caminhos corretos em Niterói-RJ.
Depois o testei em duas cidades do ES: em Anchieta, ele não reconhecia a contramão na rodovia do Sol! Em Vitória, ele indicava radar em todo semáforo ao longo da Beira Mar(o que não é real, não há tudo isso). Definitivamente, um GPS no ES não é tão útil. Melhor desligar.

No começo deste mês saí do Rio de Janeiro – de carro – e fui para Santa Catarina. Em São Paulo-SP, não tive problemas com o aparelho, mas, na dúvida, segui as placas. Há desvios e novidades nas ruas que não são captados. Além disso, também conheço o trânsito da cidade: se perder uma “entrada”, é preciso rodar mais uns km para pegar um retorno digno.
Em Curitiba-PR, a experiência foi muito tranquila. Por onde andei, a cidade é organizada e bem sinalizada. O GPS valeu, porque me enrolei um pouco com o mapa impresso do centro. 😉 O calor era demais e a paciência de menos.

Foi em Florianópolis-SC que pude aproveitar a real utilidade do sistema. Um labirinto de ruazinhas (servidões) no bairro do Campeche me levou a agradecer o uso do aparelho. Um trocadilho muito sem-vergonha seria: a servidão me revelou a serventia do GPS.
Para todas as experiências,  vale o dito sobre São Paulo. Na dúvida, sigo as placas e a “intuição”. Pelo que percebi, o GPS sugere o caminho mais curto, mas nem sempre o melhor. Não consigo confiar completamente meu destino à tecnologia.