Humanidade: vírus

29/01/2009

Diálogos breves e doloridos

– A mãe da Angela me contou que ela fugiu ontem. Levou os 4 filhos. Deixou uma carta.

– Por quê ela fez isso?  minha nossa….

– Dizia na carta que tinha certeza que a mãe jamais a perdoou. E que estava indo embora pra tentar ser feliz longe daqui.

– E é? Por que as pessoas estão sempre buscando a felicidade em outro lugar?

– Se ela foi para o garimpo, vai arrumar é uma malária!

===

– E o que é felicidade para você?

– E estar bem, tranquilo, sem grandes problemas. E pra você?

– Felicidade pra mim é ter um emprego. Se a pessoa tem emprego, ela está feliz.

===

– Mas eu conheço gente que estava muito infeliz no emprego e pediu demissão.

– Mas esse aí com certeza tinha alguém que lhe desse um prato de comida.

==


Pingos mocorongos/santarenos

19/01/2009

A realidade digital é lerda: trabalhar com auxílio da web, em Santarém, não é para os fracos!

A realidade social é nua: as ruas, o transporte público, o sistema de esgoto, o abastecimento de água – e as pessoas que não moram no centro – merecem mais respeito do governo santareno.

A realidade ambiental é cega, surda e quase-muda: poucas vozes aparecem pra tentar mudanças no oeste do Pará.

A realidade jornalística é amadora: mas há boas promessas no mercado!

A realidade política é bizarra: prefiro não comentar – veja o blog do Jeso no blogroll .

A realidade gastronômica é voluptuosa: e vai muito bem, obrigada!


Oi, 2009.

12/01/2009

Estou em Santarém-PA há 9 dias. E tenho encontrado mais gente que das outras vezes que estive aqui. Gente que não via há bastante tempo: a amiga Norma,   não encontrava há 13 anos; o Dutra, há uns 15. Tenho  encontrado gente bacana que nunca vi ao vivo, só em fotos e textos pela web:  o Samuel e o Ninos. E também tenho conhecido pessoas interessantes na sala de aula. Espero que este seja o ano dos encontros legais – de todo tipo.

baloes

(vendedor aproveita a brisa na orla do Tapajós no fim da tarde em 10/01)